Chove chuva

Verão em São Paulo é sinônimo de uma bomba relógio que é detonada, em especial na periferia da metrópole.

A combinação que molda o artefato reúne calor incessante e chuvas torrenciais que afetam a imensa maioria dos paulistanos.

Se, por um lado, o espocar da bomba paralisa avenidas e marginais prejudicando o tráfego, por outro atingem em cheio as zonas norte e leste que, desde dezembro, se esgueiram em meio a trágicas piscinas naturais recheadas de ratos e cobras mergulhadoras.

O prefeito da cidade, Gilberto Kassab (DEM), tem dito obras estão sendo feitas, mas que a Capital paulista cresceu desordenadamente e que o preço de tal crescimento está sendo pago aqui e agora.

Mesmo com tudo isso, ao invés de amaciar e desonerar o cidadão suficientemente fragilizado na sua paciência e no seu bolso, Kassab não titubeia e aumenta os impostos e as passagens de ônibus.

A própria imagem do prefeito caminha para rumos pouco imaginados quando da eleição de 2008. De esperança de renovação ao derrotar PT e PSDB na eleição municipal, que o fizeram de alguma forma ser lembrado para disputar o governo do estado, o prefeito do DEM parece enredado na mesma masmorra que engoliu seus antecessores. Logo ele que dizia que “tudo ia ser diferente”.

Pobre São Paulo.

Anderson Passos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s