A tal Copa no Brasil

O Clóvis Rossi, colunista da Folha de S.Paulo, em recente artigo publicado naquele jornal, fez uma pergunta que me intriga desde que a Fifa, candidamente, escolheu o Brasil para sediar o evento.

A pergunta capciosa é: teria o Brasil comprado a Copa do Mundo de 2014? O artigo escrito pelo colunista dá boas pistas.Eu não imagino de onde possa ter saído o dinheiro e quanto a Copa pode ter custado. Mas que a tese procede, ah procede.Acompanhem.

O Brasil comprou a Copa?

SÃO PAULO – Agora que o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, admitiu candidamente que o Qatar “comprou” a Copa do Mundo de 2022, vale perguntar se o Brasil comprou a Copa de 2014.
Pergunta impertinente mas que tem toda a lógica, se o leitor acompanhar o breve histórico feito por Rob Hughes, patriarca do colunismo esportivo, que escreve para o “Times” de Londres mas tem sua coluna publicada também pelo “International Herald Tribune”.
Hughes diz que o afastamento, por suspeita de corrupção, de dois altos dirigentes da Fifa (Mohamed bin Hammam e Jack Warner) “dá credibilidade às muitas pessoas de fora que vêm dizendo há anos que a Fifa é tão institucionalmente corrupta que ninguém pode salvá-la ou reformá-la”.
A hipótese de que a Copa veio para o Brasil pela corrupção institucionalizada fica reforçada pela descrição que o colunista faz de como evoluíram as coisas a partir do reinado do brasileiro João Havelange. Segundo Hughes, “Havelange ganhou poder basicamente por meio do sistema um-país-um-voto pelo qual a Fifa escolhe seu presidente -e ganhou-o substancialmente por persuadir pequenas federações nacionais na África e, depois, no Caribe e na Ásia, a votar por ele. Em troca, deu a elas dinheiro [da Fifa] para erguer suas próprias estruturas. Pagou por isso vendendo a joia da coroa do futebol, a Copa do Mundo”, transformada em “um triângulo dourado (Copa, exposição na TV e patrocínio das corporações) que se autoperpetua”.
Só resta acrescentar que quem trouxe a Copa-2014 para o Brasil chama-se Ricardo Teixeira, que, além de presidente da CBF, é genro de Havelange, o construtor do “triângulo de ouro”.
É sempre possível que a Copa tenha vindo para o Brasil porque somos um país maravilhoso, de gente linda e amável. Mas você excluiria liminarmente outra hipótese menos glamourosa?

Anderson Passos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s