Bárbaro paulistano

Nessa semana eu caminhava em plena Ipiranga, na altura do Love Story mais especificamente, quando flagrei um ônibus parado. Nada mais normal.

Eu já simulava o que seria o boletim da minha amiga Sandra Riva na CBN. “Ônibus com pane mecânica atrapalha a vida do motorista em plena avenida Ipiranga”.

Até que, não mais do que de repente, um sujeito negro, magro até – talvez um mendigo ou morador de rua – saiu das sombras e arremessou o que parecia ser um pedaço de meio fio contra o coletivo.

Então descobri o motorista ou o cobrador escondido do lado oposto do ônibus a espera do bote enquanto, escondidos na multidão que assistia, era possível ouvir gritos de “mata, esfola”.

E, num segundo espetacular, percebendo seu algoz sem nada na mão, o cobrador ou motorista, a esta altura empunhando um porrete, lançou-se sobre o adversário. Dois PMs cobriram os dois logo em seguida. E deixei a cena.

O roteiro já sabemos: o motorista ou cobrador voltará a seu velho batentee, sempre que ali passar, lembrará da luta corporal que travou. Enquanto seu algoz bárbaro provavelmente será espancado pela polícia e voltará às ruas disposto a lançar mais vigas de concreto ao primeiro olhar que lhe for dirigido.

Anderson Passos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s