Guardiã

Dia desses reencontrei a Fernanda Poli, repórter competente da Rádio 2, uma agência de notícias com bastante penetração em São Paulo e fora daqui. Eu e a brava repórter nos conhecemos na campanha de 2010 acompanhando as idas e vindas do então candidato ao governo Geraldo Alckmin.

Pois contei a ela o meu caso de Parkinson e a bela, compreensiva e generosa, ofereceu-se para ficar com o meu gravador na hora da coletiva a ser concedida pelo pré-candidato tucano à prefeitura de São Paulo, José Serra.

Foi minha sorte tê-la por perto pois que, ao começo da entrevista, meu corpo todo vibrava em tremores, que certamente me atingiram desde as pernas à minha própria face.

Claro que os demais colegas repararam – os tremores eram por demais evidentes – e talvez o próprio Serra, mas este respondeu com muito tato à pergunta que eu tentara fazer. E só o fiz porque a Fernandinha e sua ajuda foram decisivos.

A ela, portanto, o meu obrigado mais do que entusiasmado. E, espero, não tão trêmulo.

Anderson Passos

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s